IDP

LAIPP

Laboratório de Avaliação & Inovação em Políticas Públicas

02 jul 2021

Quais são os efeitos dos empréstimos estudantis sobre a obtenção educacional?


Pesquisadora responsável: Viviane Pires Ribeiro

Título do artigo: STUDENT LOAN NUDGES: EXPERIMENTAL EVIDENCE ON BORROWING AND EDUCATIONAL ATTAINMENT

Autores do artigo: Benjamin M. Marx e Lesley J. Turner

Localização da intervenção: Estados Unidos

Tamanho da amostra: 18.800 inscrições

Setor: Educação

Tipo de Intervenção: Efeitos de empréstimos estudantis

Variável de interesse principal: Empréstimos estudantis

Método de avaliação: Outros - Experimento de campo

Contexto da Avaliação

Nos Estados Unidos, a matrícula estudantil aumentou em mais de 30% desde o ano 2000. Vários estudos fornecem evidências de que os alunos das faculdades comunitárias recebem retornos substanciais no mercado de trabalho. Enquanto alguns programas de concessão ajudam os estudantes de baixa renda a ingressar e completar os estudos, o design dos programas federais de auxílio ao estudante pode dificultar o acesso desses recursos pelos alunos. Desse modo, mesmo que o governo federal subsidia empréstimos para os alunos de baixa renda, ele também incentiva as faculdades a desencorajar o empréstimo, existindo pouca evidência empírica sobre o efeito do empréstimo sobre os resultados dos alunos para orientar a política.

A dívida de empréstimo estudantil nos Estados Unidos cresceu constantemente ao longo da última década, atingindo US$ 1,34 trilhão em 2017. Apesar do fato dos estudantes de universidades comunitárias terem maiores necessidades financeira e serem menos propensos a tomar empréstimos do que os estudantes em instituições privadas e mais seletivas, os esforços para reduzir os empréstimos foram especialmente pronunciados dentro deste setor.

Detalhes da Intervenção

Marx e Turner (2019) estudam o efeito das ofertas de empréstimos estudantis sobre empréstimos e obtenção educacional com um experimento de campo em uma grande universidade comunitária. O experimento foi implementado na “Community College A” (CCA), uma faculdade comunitária anônima, durante o ano acadêmico de 2015 a 2016. Os custos da CCA são comparáveis aos custos enfrentados pelos estudantes universitários em todo o país. Por exemplo, no distrito universitário, as taxas para o ano letivo de 2014-2015 foram aproximadamente $ 3.100 versus $ 3.249 em todo o país. Como na maioria das faculdades comunitárias, os preços dependem da residência e é uma função linear de créditos cursados. A Community College A tem um corpo estudantil significativamente maior do que a média das comunidades universitária, com 18.800 inscrições em comparação com uma média de 4.300, no período de 12 meses. O recibo de auxílio financeiro é similar entre os estudantes da CCA e os demais estudantes universitários da comunidade. Aproximadamente 45% dos estudantes da CCA receberam auxílio da Pell Grant e 25% receberam empréstimos federais em 2013-2014, em comparação com 41 e 19% dos estudantes, respectivamente, das faculdades comunitárias.

Os estudantes na CCA têm taxas de conclusão substancialmente mais baixas e resultados ligeiramente piores no mercado de trabalho do que a média dos alunos das faculdades comunitárias. Somente 5% dos alunos da CCA completaram uma credencial dentro de 150% do tempo de espera, em comparação com 21% dos estudantes de todo o país. Os rendimentos médios entre os destinatários do auxílio federal que já não estavam matriculados há dez anos após a entrada são semelhantes para CCA e faculdades comunitárias de todo o país (cerca de $ 28.000 e $ 30.253, respectivamente). Outros resultados seguem padrões semelhantes, com os alunos da CCA experimentando resultados piores no mercado de trabalho do que as médias nacionais.

Durante o ano acadêmico de 2014-2015, a CCA ofereceu empréstimos a todos os estudantes com menos de $ 25.000 em dívida federal de empréstimo estudantil. Todos os alunos que listaram a CCA em seu aplicativo gratuito para auxílio federal dos estudantes (FAFSA) receberam auxílio financeiro eletronicamente, em um sistema da web. Além das exigências federais, os estudantes da CCA tiveram que confirmar se desejavam pedir empréstimo e o valor do empréstimo através de um formulário eletrônico. Os critérios de elegibilidade da CCA e os procedimentos de candidatura não foram alterados para a experiência, o que significa que o valor padrão de empréstimo era de $ 0.

Detalhes da Metodologia

Para fornecer evidências sobre o efeito causal dos empréstimos estudantis sobre a realização educacional, Marx e Turner (2019) utilizaram a variação experimental que espelha as práticas mais comuns das faculdades comunitárias. Embora muitos recursos federais de empréstimos estudantis, tais como quantidades máximas e requisitos de elegibilidade, sejam aplicados uniformemente aos estudantes e instituições, as faculdades têm critérios sobre se devem incluir “ofertas” de empréstimo em cartas de concessão de auxílio financeiro dos alunos. Montantes de empréstimos listados, comumente referidos como “ofertas” não alteram o conjunto de escolha dos alunos, mas podem afetar o empréstimo através da arquitetura de escolha, isto é, o design do ambiente de tomada de decisão.

O experimento aplicou atribuição aleatória de ofertas de empréstimo aos alunos. Numa base diária, a partir de maio de 2015, o escritório de ajuda financeira da CCA forneceu dados sobre cada lote de estudantes para os quais uma carta de auxílio foi gerada no dia seguinte. A amostra experimental incluiu todos os estudantes elegíveis para auxílio financeiro. Os alunos foram atribuídos ao grupo de tratamento ou ao grupo de controle, usando randomização estratificada por caixas de Contribuição Familiar Esperada (EFC) e todas as combinações possíveis de variáveis binárias para calouro versus veterano, dependente versus independente, e com dívida versus sem dívida de empréstimo estudantil.

Resultados

Os estudantes foram atribuídos aleatoriamente para receber uma oferta de empréstimo de $ 0 ou uma oferta de $ 3.500 (para “calouro” que acumularam menos de 30 créditos) ou $ 4.500 (para veteranos). Os alunos que receberam uma oferta de empréstimo diferente de zero foram 40% mais propensos a tomar empréstimo do que aqueles que receberam uma oferta de $ 0, com cada mutuário adicional ocupando um empréstimo de $ 4.000, em média. Ofertas de empréstimos diferentes de zero também gerou ganhos consideráveis na realização educacional.

Ofertas de empréstimos diferentes de zero foram atribuídas aleatoriamente, gerando um aumento de 40% na probabilidade de empréstimos. Esse efeito é maior do que as alterações em empréstimos produzidas por intervenções mais onerosas, intensivas e consistente com evidências prévias de que as tomadas de decisões de empréstimos estudantis são desproporcionalmente afetadas por informações e custos administrativos impostas quando estão tomando tais decisões. Os resultados experimentais sugerem que o custo de coleta de informações sobre a disponibilidade de tomar empréstimo contribui para o custo fixo do empréstimo.

Os estudantes induzidos a pedir sugestões de empréstimo recebeu, em média, 3,7 créditos adicionais e melhorou as notas em 0,6 pontos no ano da intervenção. No ano letivo seguinte, eram 11 pontos percentuais (178%) mais propensos a transferir para uma instituição pública de quatro anos. Os autores estimaram que ofertas de empréstimos diferentes de zero aumentaram a realização de curto prazo de estudantes de faculdades comunitárias. No entanto, não se pode concluir que oferecer um empréstimo diferente de zero melhora o bem-estar de cada aluno, mas foi projetado que o respondedor médio se beneficia financeiramente do empréstimo, mesmo com uma taxa de desconto tão alta quanto 12%. Usando um modelo teórico simples que permite efeitos importantes, custos de informação e viés padrão, os autores fornecem evidências sobre os canais através dos quais as ofertas diferentes de zero afetam o comportamento estudantil. O padrão de respostas sugere que pelo menos 78% das respostas de empréstimo é impulsionada por uma redução nos custos de informação, sugerindo que ofertas diferentes de zero melhora o bem-estar da maioria dos estudantes.

Lições de Política Pública

Marx e Turner (2019) ressaltam que os resultados do estudo são relevantes para faculdades, formuladores de políticas e pesquisas futuras sobre os efeitos dos “nudges”. Nos Estados Unidos, mais de cinco milhões de estudantes frequentam faculdades que não oferecem empréstimos em cartas de concessão de ajuda financeira, e quase um milhão de alunos frequentam faculdades que não participam de programas de empréstimo federal. A análise sugere que ofertas de empréstimos a estudantes inscritos nessas faculdades podem gerar aumentos substanciais de realização educacional. Os autores mostram que os nudges podem afetar o comportamento, comunicando informações de uma forma melhor do que outros métodos usados para comunicar as mesmas informações. Os alunos parecem se beneficiar substancialmente da comunicação clara da oportunidade de empréstimo quando eles estão tomando decisões de empréstimo e, portanto, sendo informados de seu conjunto de opções. Ao mesmo tempo, uma melhor escolha dentro desse conjunto também requer conhecimento de custos e benefícios esperados. Pesquisas futuras podem examinar como ajudar cada estudante a obter uma quantidade de empréstimo que melhor atende às suas necessidades.

Referências

Marx, B. M., & Turner, L. J. (2019). Student Loan Nudges: Experimental Evidence on Borrowing and Educational Attainment. American Economic Journal: Economic Policy, 11(2), 108-141.

Cursos
Livres

No IDP você encontra cursos livres on-lines sobre os principais assuntos de Comunicação, Gestão, Economia e Direito.

SAIBA MAIS

CONTATO

SGAS Quadra 607 . Módulo 49 . Via L2 Sul - Brasília-DF - CEP 70200-670

(61) 3535.6565

laipp@idp.edu.br